Defesa de Milton Ribeiro pede que ex-ministro seja ouvido em SP

A Polícia Federal prendeu preventivamente o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, na manhã desta quarta-feir, 22, durante a Operação Acesso Pago, que investiga esquema de corrupção envolvendo pastores evangélicos durante a gestão dele à frente do MEC.

Segundo informações do site Metrópoles, a defesa do ex-ministro pediu para que ele seja ouvido em Santos, no litoral de São Paulo, por meio de videoconferência. O advogado Daniel Bialski argumentou que a permanência do ex-ministro em São Paulo poderia gerar uma “economia processual”.

A operação

De acordo com as investigações, a prisão foi determinada pelo juiz federal Renato Borelli. No mandado de prisão, o magistrado elenca ao menos quatro crimes que teriam sido cometidos por Ribeiro: corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência. Houve buscas no Ministério da Educação.

A força-tarefa investiga um esquema de corrupção envolvendo pastores evangélicos durante a gestão dele à frente do MEC e a liberação da Pasta para prefeituras ligadas aos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura, ambos integrantes da Assembleia de Deus e sem nenhum cargo na pasta. Os dois também foram alvos de investigação da PF.

A atuação incluiria pedidos de propina de um líder religioso a um prefeito para facilitar acesso a recursos da pasta. Para agilizar o direcionamento de fundo orçamentário proveniente do ministério, o pastor Arilton Moura teria solicitado R$ 15 mil e 1 kg de ouro ao prefeito do município de Luís Domingues (MA), Gilberto Braga (PSDB). (Metrópoles)

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.

Quer acompanhar
todas as notícias
em primeira mão?

Entre em um de nossos
grupos de WhatsApp