Polícia Civil prendeu suspeito de aplicar golpe do falso Pix no comércio de Paraíso

[ad_1]

Nesta terça-feira, 9, a Polícia Civil do Tocantins (PC-TO), por meio da 6ª Divisão Especializada de Repressão ao Crime Organizado – DEIC – Paraíso do Tocantins, cumpriu mandado de prisão e de busca e apreensão contra um homem suspeito de aplicar o golpe do “Falso Pix” no comércio de Paraíso.

Durante as buscas, uma arma de fogo de fabricação artesanal foi apreendida e o indivíduo também foi autuado em flagrante delito pelo crime de posse irregular de arma de fogo.

O homem preso foi encaminhado à Unidade Regional Penal de Paraíso do Tocantins, onde segue à disposição do Poder Judiciário.

A investigação

Conforme as investigações, no mês de dezembro de 2022, o investigado de 21 anos, aproveitando-se do grande fluxo de vendas das festas de final de ano, efetuou compras por meio de um aplicativo de mensagens, em uma loja da cidade, no valor de cerca de R$ 3 mil. O suspeito, que utilizava identidade falsa, apresentou comprovantes de transferência falsas de Pix, iludindo os vendedores que entregaram os produtos.

A Polícia também identificou que o suspeito possui antecedentes criminais por crimes patrimoniais, especificamente roubos, tratando-se de sujeito reincidente. O indivíduo, inclusive, estava em regime semiaberto, porém nunca iniciou o cumprimento de pena.

Golpe do Falso Pix

Esse golpe ocorre quando o criminoso, ao realizar uma compra, geralmente por meio de rede social, apresenta um comprovante falso de transferência via Pix. Pela semelhança de um comprovante original, quem está vendendo o produto não percebe a diferença e termina por se tornar uma vítima.

Para evitar cair nesse tipo de golpe:

  • É importante acessar o aplicativo do banco e conferir o extrato, pois a transferência via Pix é instantânea;

  • Evite aceitar agendamentos de transferências via Pix;

  • Ative as notificações nos aplicativos bancários.

Onde denunciar

A vítima do golpe do falso Pix pode registrar o Boletim de Ocorrência, de forma online, por meio da Delegacia Virtual, ou pode ir até uma das delegacias da Polícia Civil.



[ad_2]

FONTE

Comentários estão fechados.