» TCE/TO responde consulta sobre limite de despesa com pessoal


TCE/TO responde consulta sobre limite de despesa com pessoal

5 Visualizações

Publicado: 1 de setembro de 2023 – Última Alteração: 1 de setembro de 2023

Decisão aprovada no Pleno na última quarta-feira, 30, tem como parâmetro a Lei Complementar 178/2021

O Pleno do Tribunal de Contas do Tocantins aprovou na última quarta-feira, 30 de agosto, a modulação dos efeitos da Resolução nº 848/2021-TCE/TO, considerando o art. 23 da Lei de Introdução das Normas do Direito Brasileiro (LINDB), para permitir que a extrapolação no índice da despesa com pessoal dos municípios e demais órgãos públicos, verificada no ano de 2023, possa ser proporcionalmente reduzida até o limite previsto no art. 20 da Lei de Responsabilidade Fiscal nº 101/2000, utilizando como parâmetro o art. 15 da Lei Complementar nº 178/2021 e o art. 2º da Emenda Constitucional nº 127/2022.

Ou seja, o Poder ou órgão cuja despesa total com pessoal até o final do exercício de 2023 estiver acima de seu respectivo limite poderá utilizar a regra estabelecida no art. 15 da Lei nº 178/2021. Porém, deverá eliminar o excesso de, pelo menos, 10% a cada exercício, por meio das medidas previstas nos arts. 22 e 23 da Lei Complementar, de forma a se enquadrar no respectivo limite até o término do exercício de 2032.

Vale ressaltar que nesse caso, não se trata de alteração da lei ou da criação de uma nova norma, mas da interpretação da lei considerando a realidade vivenciada pela Administração Pública. A decisão da Corte se deu por meio de Consultas realizadas pelos prefeitos de Nazaré do Tocantins, Tocantinópolis e pela Associação Tocantinense de Municípios (ATM), e foi analisada pela Terceira Relatoria do TCE/TO, que tem como titular o conselheiro José Wagner Praxedes. 

Situação fiscal

No voto, o relator reconhece que essas alterações estão sendo realizadas diante da situação fiscal crítica que os municípios brasileiros vêm enfrentando e destaca alguns pontos como a significativa redução do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), que afeta especialmente os pequenos municípios; o aumento do piso do salário dos professores e de profissionais da saúde; e os efeitos ainda sentidos da Pandemia do Covid-19 e da inflação.

Em outro trecho, o conselheiro ressalta que tais leis foram produzidas para gerar estabilidade nas contas públicas municipais, de modo a permitir que a situação fosse sendo regularizada ano a ano, impedindo o descumprimento total das regras da LRF. “Ocorre que estas leis possuem escopo limitado e regras muito restritas, que não alcançam a realidade de todos os municípios”, pontua.

O relator complementa que havia muitas dúvidas sobre a aplicação da Lei nº 178/2021, o que fez com que alguns gestores fossem cautelosos e não tenha utilizado todo o potencial na época para não estourarem o limite de gasto com pessoal durante aquele ano, mas já estavam em vias de fazê-lo. “O que de fato veio a ocorrer no ano de 2022 e está acontecendo em 2023, tendo em vista os fatores já mencionados”.

A decisão destaca ainda que está é uma questão que envolve o princípio da isonomia, já que o gestor que foi cuidadoso e esforçado no ano de 2021 não encontraria qualquer amparo nas leis de transição, ao mesmo tempo que o gestor que tenha ultrapassado o limite teria prazo de 10 anos para reconduzir.

É importante reforçar que o Tribunal irá fiscalizar a contabilização da despesa com pessoal, observando as ações concretas adotadas pela gestão, notadamente a realização de concurso público e a eliminação da terceirização ilegal, bem como a redução anual do percentual estabelecido no art. 15 da Lei Complementar nº 178/2021.

Confira aqui as Consultas na íntegra. Decisão foi publicada no Boletim Oficial da Corte nº3313.



FONTE

Comentários estão fechados.

Quer acompanhar
todas as notícias
em primeira mão?

Entre em um de nossos
grupos de WhatsApp