Unidade Penal de Porto Nacional recebe novas celas construídas com recursos de penas pecuniárias


Construídas com recursos das penas pecuniárias, a Unidade Penal de Porto Nacional recebeu três novas celas e um local para receber os familiares em dia de visitas. A juíza titular da 2ª Vara Criminal e Execuções Penais da Comarca de Porto Nacional, Umbelina Lopes Pereira Rodrigues, e o secretário de estado de Cidadania e Justiça, Deusiano Amorim, ao lado de outras autoridades, fizeram uma visita técnica na Unidade, na manhã desta quarta-feira (11/10), para conhecer as novas instalações.  

Durante a visita, a juíza Umbelina Lopes Pereira Rodrigues enfatizou a importância de sempre buscar melhores condições de ressocialização. “A melhoria das instalações físicas na unidade prisional contribui para ressocialização, pois confere dignidade às pessoas privadas de liberdade. Essas três celas foram construídas com recurso das penas pecuniárias e com mão de obra dos próprios detentos. A próxima etapa contará com a reforma de seis celas, visando mudar o estado de coisas inconstitucional identificado durante as inspeções judiciais”, ressaltou a magistrada.

Ela explicou ainda que a Unidade Prisional de Porto Nacional foi projetada para 40 presos, e atualmente, possui 118 pessoas privadas de liberdade, não sendo possível a separação de presos provisórios dos definitivos, pelo que foi constatada a urgente necessidade de reestruturação física da Unidade.

O secretário de Cidadania e Justiça, Deusiano Amorim, falou da satisfação em ver a obra. “Estamos muito satisfeitos que por meio dessa parceria, consigamos ter essa ampliação de novas celas na Unidade Penal de Porto Nacional. Isto é fruto dos esforços da gestão da Unidade, do Poder Judiciário e do olhar atento de nosso governador, Wanderlei Barbosa, às necessidades das demandas da Cidadania e Justiça. Queremos melhorar todas as unidades do Sistema Penal do Tocantins”, disse.

“Muitas pessoas não acreditam que o preso é capaz de se regenerar. Mas eu quero dizer  que é capaz sim, porque isso aconteceu comigo. Antes, eu tinha pensamentos totalmente diferentes dos que eu tenho hoje. Deus me deu a oportunidade de estar hoje aqui e eu quero mostrar, não só para as pessoas que eu sou capaz de ser uma nova pessoa, mas principalmente para a minha família”, disse um dos reeducandos que cumpre pena na Unidade. Ele voltou a estudar e disse que seu maior sonho agora é terminar seus estudos e cursar uma faculdade. Ele agradeceu todo o apoio, especialmente da sua professora que tanto tem ajudado nesta jornada.  “Eu antes só nutria ódio no meu coração. Hoje eu nutro esperança.” 

Presenças
Também participaram do evento o promotor de justiça Eurico Greco Puppio; a defensora pública Wanessa Rodrigues de Oliveira; o presidente da Subseção da OAB de Porto Nacional, Ariel Carvalho Godinho; o superintentendente de Segurança Pública, Trânsito e Defesa Civil de Porto Nacional, Marcílio Alves Parente; o comandante do 5º Batalhão da Polícia Militar, tenente coronel José Batista Freitas Júnior; o delegado regional da Polícia Civil, Túlio Pereira Mota; a presidente do Conselho da Comunidade, Elizabeth Carneiro da Silva; o diretor da Escola Alcides Aires Rodrigues, Rogério Araújo Fernandes; o coordenador de Correição Judicial, Renato Alves Gomes; o diretor da Unidade Penal, José Ribamar Aires Gomes; além de policiais penais, professores e os servidores da Central de Penas e Medidas Alternativas (Cepema).



FONTE

Comentários estão fechados.

Quer acompanhar
todas as notícias
em primeira mão?

Entre em um de nossos
grupos de WhatsApp