Indicações para Cade e CVM são lidas na CAE; sabatinas serão na próxima semana — Senado Notícias


A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) fez nesta terça-feira (5) a leitura de seis relatórios com indicações de autoridades: quatro para conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e dois para a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Foram concedidas vistas coletivas para os senadores avaliarem os pareceres, e as sabatinas estão previstas para a próxima semana, como informou o presidente da CAE, senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO). Caso os nomes sejam aprovados pelo colegiado, seguirão para votação em Plenário.

Cade

A indicação de Carlos Jacques Vieira Gomes para o cargo de conselheiro do Cade (MSF 84/2023) foi relatada pelo senador Nelsinho Trad (PSD-MS), que apresentou voto favorável.

Com graduação e mestrado em direito e especialização em regulação em telecomunicações, Gomes é consultor legislativo do Senado, já foi assessor processual do próprio Cade (onde também foi secretário do Plenário), assessor de ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O nome do procurador José Levi Mello do Amaral Júnior para o cargo de conselheiro do (MSF 81/2023) tem voto favorável do relator, senador Eduardo Gomes (PL-TO). Nascido em São Gabriel (RS), formou-se em ciências jurídicas e sociais em 1999 pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), onde também concluiu o mestrado em direito em 2001. Dois anos depois, finalizou o doutorado na mesma área pela Universidade de São Paulo (USP).

O indicado atua, desde 2000, como procurador da Fazenda Nacional. Ao longo da carreira, foi advogado-geral da União, de 2020 a 2021, e chefiou a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional entre 2019 e 2020. Além disso, foi consultor-geral da União em 2015 e 2016. Atualmente, também é professor na USP e no Centro Universitário de Brasília (UniCEU).

A condução da economista Camila Cabral Pires Alves para o cargo de conselheira do Cade (MSF 82/2023) foi elaborada pela senadora Tereza Cristina (PP-MS). A indicada nasceu no Rio de Janeiro e formou-se em economia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) em 2002. Desde 2013, ela é professora na UFRJ. Camila Cabral foi economista chefe do Cade entre 2011 e 2013.  

O parecer sobre a indicação de Diogo Thomson de Andrade para o cargo de conselheiro do Cade (MSF 83/2023) foi relatado pelo senador Rodrigo Cunha (Podemos-AL). Natural de São Paulo, o candidato se formou em direito e posteriormente concluiu mestrado na mesma área na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Atualmente, é aluno de doutorado em direito pelo Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa (IDP).

Desde 2004, Diogo de Andrade é procurador da Advocacia-Geral da União. Entre 2011 e 2012, atuou como diretor do Departamento de Proteção e Defesa Econômica da Secretaria de Direito Econômico do Ministério da Justiça. Atualmente, é superintendente-adjunto do Cade, tendo atuado também como superintendente-geral interino.  

O Cade foi criado em 1962 como um órgão do Ministério da Justiça, sendo uma autarquia vinculada à pasta que tem como função proteger a livre concorrência no mercado. Com atuação no âmbito do Poder Executivo, o órgão investiga e decide, em última instância, sobre questões de concorrência comercial. As atribuições do conselho estão no Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência (Lei 12.529, de 2011).

CVM

O relatório com o nome de Marina Palma Copola de Carvalho (MSF 91/2023), indicada para compor a diretoria da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), também foi elaborado pela senadora Tereza Cristina. Marina nasceu em Campinas (SP) e formou-se em direito em 2007 pela Universidade de São Paulo (USP), onde também concluiu o curso de mestrado em direito econômico em 2013.

Entre 2009 e 2011, a indicada atuou na CVM como assessora técnica na diretoria do órgão. Desde 2020, é membro do Conselho de Autorregulação e do Comitê de Supervisão e Monitoramento de Mercado do Balcão Brasileiro de Comercialização de Energia (BBCE).

A indicação de Daniel Walter Maeda Bernardo também para diretor do CVM (MSF 90/2023) é relatada pelo senador Otto Alencar (PSD-BA). O candidato formou-se em engenharia civil pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 2000 e, logo em seguida, concluiu a graduação em direito pela Universidade Estácio de Sá (Unesa). Desde 2016, é superintendente de supervisão de investidores institucionais CVM.

O indicado entrou para a comissão em 2005, quando passou a atuar como analista. Entre 2009 e 2014, foi gerente de Registros e Autorizações do órgão e, de 2014 a 2016, assumiu a Gerência de Estrutura de Mercado e Sistemas Eletrônicos.

Criada em 1976, a CVM é uma autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda. A comissão tem o objetivo de desenvolver e fiscalizar o mercado de valores mobiliários no Brasil e defende interesses dos investidores, principalmente de acionistas minoritários. Mantém a segurança e a transparência no ambiente de investimentos, para que as empresas possam captar recursos e financiar suas atividades. 

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)



FONTE

Comentários estão fechados.

Quer acompanhar
todas as notícias
em primeira mão?

Entre em um de nossos
grupos de WhatsApp