Presos e adolescentes infratores devem votar nas eleições 2022 no Tocantins

Um Termo de Cooperação foi assinado pelo Ministério Público do Tocantins (MPTO), Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e instituições civis do sistema penitenciário e do sistema de Justiça do Estado para a criação de seções eleitorais especiais em estabelecimentos penais e unidade de internação de adolescentes do Estado.

A assinatura do documento ocorreu nesta terça-feira, 21, pelo procurador-geral de Justiça, Luciano Casaroti. A medida visa de garantir aos eleitores presos provisoriamente e aos adolescentes internados o direito de voto. 

As novas seções devem ser criadas até o dia 15 de julho, apenas nos locais onde sejam inscritos, pelo menos, 20 eleitores. As entidades devem promover mutirões para providenciar a documentação obrigatória dos presos provisórios e adolescentes internados, designar agentes penitenciários e solicitar força policial para garantir a segurança de todos os envolvidos, entre outras ações. 

O acordo ainda prevê a não transferência daqueles cadastrados a fim de votarem nos respectivos estabelecimentos e unidades estabelecidas, com exceção dos que obtiverem liberdade ou por determinação judicial, hipótese em que a administração dos estabelecimentos deve providenciar a devida escolta para o exercício do voto.

Assinam o documento além do MPTO e  do TRE, o Tribunal de Justiça do Tocantins (TJTO), a Defensoria Pública Estadual (DPE), Procuradoria da República no Estado (PGE), a Ordem dos Advogados do Brasil seccional Tocantins (OAB/TO), o Conselho Estadual dos Direitos da Criança  e do Adolescente do Tocantins, O Conselho Penitenciário do Tocantins e  Secretaria de Cidadania e Justiça.

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.

Quer acompanhar
todas as notícias
em primeira mão?

Entre em um de nossos
grupos de WhatsApp